Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi eu nulla vehicula, sagittis tortor id, fermentum nunc. Donec gravida mi a condimentum rutrum. Praesent aliquet pellentesque nisi.
Image thumbnail

Sobre

A NOSSA HISTÓRIA

Em 1896, o Visconde de Vilarinho de São Romão, refere a Quinta do Monte Travesso, na sua obra Viticultura e Vinicultura – Traz os Montes – Alto Douro Central, nos seguintes termos: “… possue esta freguesia [referindo-se a Tabuaço] algumas quintas notáveis, entre as quaes citaremos a de Monte Travesso, em grande parte reconstituída por americanas…” (in pág. 470). Com base nesta referência histórica, esse ano ficou associado à sua origem – QUINTA DO MONTE TRAVESSO – ESTD. 1896  

 

A Quinta está na posse da mesma família desde a altura em que Artur de Magalhães Pinto Ribeiro a comprou. Posteriormente ofereceu-a à sua filha Margarida do Carmo por altura do seu casamento. (Margarida do Carmo era filha de Emília da Conceição Ermida – uma linda senhora de olhos azuis e do referido Artur de Magalhães Pinto Ribeiro, que nasceu em Travanca de Armamar a 8 de Janeiro de 1870; aos 22 anos formou-se em medicina e foi Médico da Marinha; foi também um dos fundadores da Casa do Douro – “Paladinos do Douro” – sendo o seu primeiro Presidente.)

 

Margarida do Carmo, casou com Manuel de Nápoles Afonso de Carvalho, filho de António Afonso de Carvalho – Capitão de Mar e Guerra (farda e espólio expostos no corredor principal da casa) e de Judith de Barros Caupers de Sousa Nápoles – uma apaixonada pelo Douro e a matriarca da Família NÁPOLES, cujas armas são ostentadas no logotipo da Quinta e a quem lhe é prestada homenagem com o vinho tinto topo de gama da casa, produzido em quantidades limitadas e apenas em anos excecionais: Quinta do Monte Travesso – “JUDITH

 

Posteriormente José Emanuel, o filho mais velho do casal, deu seguimento ao legado e fez várias benfeitorias. Após a divisão da propriedade, classificou a sua parte em Diário da República, com reconhecimento do IPPAR, como Quinta do Monte Travesso Imóvel de Interesse Municipal – pelo espólio da casa em conjunto com as características do imóvel – Casa, Capela, Armazéns de Vinhos e Vinhas envolventes. A Quinta passou também a ter a sua marca registada e em paralelo à produção de uvas para Vinho do Porto inicia o processo de produção e comercialização de Vinho DOC DOURO e Azeite, com a sua própria marca.

 

Atualmente, Bernardo Maria, é o responsável por toda a produção de vinhos e azeite e também pela abertura das portas ao Enoturismo (prémio BEST OF WINE TOURISM 2019 – Enoturismo Sustentável), dando assim a conhecer a Quinta, a sua História e os seus Vinhos. Por vezes, na visita à Quinta, é possível encontrar os filhos do produtor (Bernardo e Constança) que constituem já a 5ª GERAÇÃO desta família desde sempre ligada ao Douro.

a

QUINTA

A Quinta do Monte Travesso é uma propriedade do Douro, localizada em Tabuaço, na sub-região do Cima-Corgo.

È uma exploração familiar que se dedica ao engarrafamento de vinhos e azeites com a sua própria marca, bem como ao turismo.

VINHA

As vinhas estendem-se por um vale ao longo de 16 hectares.

Os solos são pobres e xistosos, neles predominam as castas tintas mais nobres como a Tinta Amarela, Tinta Barroca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Touriga Nacional, Touriga Franca e Sousão. Nos brancos encontramos Cerceal, Fernão Pires, Malvasia Fina, Gouveio e Rabigato.

Para preservar as vinhas mais antigas mantêm-se algumas parcelas com encepamentos de compasso apertado, onde todo o trabalho é manual. Pelo contrário, nas novas plantações em patamares e vinhas ao alto foram utilizados compassos largos que permitem a sua mecanização.

Nos novos vinhedos, para além de uma criteriosa escolha do material colonal, tem sido dada especial atenção à condução da videira e ao seu embardamento.

Após uma cuidada recolha das uvas em caixas de pequena capacidade, os Vinhos Brancos são fermentados pelo método de bica-aberta, com decantação em inox e posterior fermentação em cubas com controlo de temperatura.

a

ADEGA

Os Vinhos Tintos são fermentados quer nos lagares, quer nas cubas de fermentação de pequeno volume. Depois da fermentação malolática estagiam por tempo indefinido em barricas novas e usadas de carvalho francês e americano de 225 litros. Posteriormente são criteriosamente elaborados os lotes para serem engarrafados com a marca da Quinta.

PT
EN PT